• PRONUNCIAMENTO PELOS 40 ANOS DO BLOCO FLOR DA LIRA DE OLINDA

PRONUNCIAMENTO

 

40 ANOS DO BLOCO FLOR DA LIRA DE OLINDA

 

Senhores deputados, senhoras deputadas, hoje é um dia muito feliz, de muita alegria por causa do homenageado em tela. Agradeço aos meus pares por terem aprovado meu requerimento. Este é um quarentão olindense, que tanto luta pelo nosso carnaval, pela nossa cultura, pelo nosso frevo, o Bloco Flor da Lira de Olinda. Merecem toda essa nossa homenagem os amigos Seronildo Guerra e Alexandre Nogueira, ambos professores e carnavalescos.

São 40 carnavais que o Bloco Carnavalesco Misto For da Lira de Olinda completou em 20 de dezembro. Fundado em 1975 pelo professor, teólogo e carnavalesco Teodomiro Pereira da Silva, logo ganhou amigos, apoiadores, adeptos que o tornariam um das mais tradicionais agremiações carnavalescas de Olinda.

Dentre os amantes da cultura, do carnaval e desse modo tão olindense de agir, destacam-se dois diretores do Flor da Lira de Olinda, que estiveram presentes desde o início do bloco e que tocaram juntos este belo trabalho até hoje. Dois professores, carnavalescos, amigos que me orgulham muito de pronunciar seus nomes aqui nesta sessão solene. São eles Seronildo Guerra e Alexandre Nogueira.

Como muitos de vocês sabem, Alexandre nos deixou há dois meses e aqui quero pedir uma salva de palmas para ele, porque com Alexandre Nogueira, com sua alegria de viver e dedicação ao próximo, não combina nenhum minuto de silêncio. Combina, sim, uma salva de palmas. Alexandre tinha uma missão e cumpriu seu dever aqui na terra. Era religioso, era solidário, era amigo, era até bom demais como às vezes as pessoas dizem. Professor que  só deixou a sala de aula das escolas estaduais para dedicar-se à educação do seu modo, incentivando a cultura, lutando pela formação cultural dos jovens e promovendo o conhecimento, a música, a dança e as tradições de nosso Estado. Tenho certeza que ele está assistindo feliz esta sessão solene, sabendo que aqui ele mora em nossos corações e que nunca vai ser esquecido.

Então, ao analisarmos esses 40 anos do Bloco Flor da Lira de Olinda, nos deparamos com a difícil missão de entender como uma agremiação carnavalesca desperta tanta paixão nas pessoas. Mas olhando pelo exemplo de militância cultura do Bloco Flor da Lira de Olinda, não é de se espantar. Os integrantes do Bloco Flor da Lira de Olinda se dividem entre várias gerações: jovens estudantes, muitos dos quais olindenses que moram nos arredores da sede do bloco. Senhoras, aposentadas, professores, donas de casa, jovens a mais tempo, podemos dizer, que participam da ala das baianas, que costuram as indumentárias, que participam do coral, que dão sua contribuição na beleza e no funcionamento do bloco. Tem os músicos, muitos deles formados pelas oficinas do bloco. Tem também os integrantes de todas as classes sociais que dão sua contribuição da maneira que podem, desfilando em parte das apresentações. Tem as famílias de todo mundo que participa do bloco. Tem os admiradores que, como eu, acompanham e se alegram com a espontaneidade e a beleza do frevo de pau e corda cantado e tocado nas ruas.

Tive o prazer de ver os integrantes do Bloco Flor da Lira em diversas ocasiões. Aliás, não há uma apresentação do Flor da Lira de Olinda no carnaval em que eu não estive, pelo menos uma vez. Destaco o Baile Monumental, que é o Baile Olindense, democrático, gratuito, no Mercado da Ribeira. Também é para mim orgulho lembrar que fui homenageada com o Troféu Amigos da Cultura pelo bloco, ainda em 2008.

Mas o Flor da Lira de Olinda é do mundo também. Já esteve em diversos países da Europa como Portugal, França, Holanda e Alemanha. Também estiveram nos Estados Unidos, onde puderam conhecer as agremiações carnavalescas de Nova Orleans e fazer um interessante intercâmbio de experiências naquela cidade tão cultural e tão parecida com nossa Olinda. O Flor da Lira de Olinda levou o Frevo de Pau e Corda, o Frevo Lírico de Pernambuco para o mundo.

Para que fique registrado nos anais dessa Casa, gostaria de explicar em poucas palavras o porquê do nome Bloco Lírico ou até Bloco de Orquestras de Pau e Corda. Os blocos líricos de frevo eram compostos basicamente por cordas: bandolins, violões, cavaquinhos e violino. Há cerca de 50 anos, com o crescimento dos cortejos, foram introduzidos os metais, para melhorar a sonoridade. Acontece que no início do século XX, muitos foliões queriam participar de bailes e festas de carnavais que fossem mais tranquilos, diferente da energia eletrizante do frevo de rua. Havia, com certeza, aquele pudor de que as mulheres não deveriam brincar carnaval nas ruas, o que hoje já está superado, mas infelizmente naquele tempo isso existia. Então, foram aparecendo os blocos líricos, com canções com cadência suave e letras poéticas, inspirados nas serestas e nos pastoris. O coral de vozes femininas, sempre tão marcante nas apresentações dos blocos líricos, sempre fez a diferença nos cortejos e apresentações em clubes e praças. O Bloco Banhistas do Pina, por exemplo, nascido em 3 de fevereiro de 1932, tem 84 anos.

Os professores Seronildo Guerra e Alexandre Nogueira, que doaram seus melhores anos da vida à cultura pernambucana, lutaram muito. Não é fácil fazer cultura popular em Pernambuco e no Brasil. Com muita determinação, pode-se dizer com muita garra mesmo, desprendimento e amor, realizaram uma centena de projetos sociais durante todo esse tempo em que idealizaram juntos os rumos do Bloco Flor da Lira de Olinda. Cito alguns desses projetos para que a gente entenda que a tarefa desse bloco é mais ampla. Gostaria de lembrar de alguns:

  • Realizaram o 1º e 2º Festival de Orquestras de Pau e Corda de Olinda nos anos de 2008 e 2009. O projeto só não teve continuidade por falta de verbas.
  • Realizaram o Projeto “Nossos Patrimônios Vivos”, entre os anos de 2004 e 2006, através de projeto aprovado pelo Ministério da Cultura, sendo o Flor da Lira um Ponto de Cultura do Minc, inclusive, um dos primeiros a serem aprovados pelo então ministro da Cultura Gilberto Gil.
  • Realizaram o curso de Patrimônio Histórico e Ambiental para professores e professoras da rede estadual de ensino, a época do ano em que Olinda foi eleita Capital Cultural do Brasil.
  • Realizam há 16 anos ininterruptos o Baile Monumental de Olinda que, como eu já disse, é o baile mais democrático do período pré-carnavalesco em Pernambuco, por que desfila nas ladeiras de Olinda e faz uma grande festa no Mercado da Ribeira.
  • Foi da iniciativa de Seronildo Guerra e de Alexandre Nogueira o Encontro de Blocos Líricos de Garanhuns, realizado durante o Festival de Inverno no município.
  • Também partiu do Bloco Flor da Lira de Olinda a iniciativa de propor a Prefeitura da Cidade a criação da terça-feira lírica do carnaval de Olinda, fazendo uma verdadeira festa no período momesco, à noite, pelas ladeiras do Sítio Histórico da cidade.
  • São inúmeros os cursos e oficinas de frevo e de instrumentos musicais que já foram realizados pelo Bloco Flor da Lira de Olinda, resultado disso é que muitos dos músicos que alegram as ruas no carnaval, em diversos blocos líricos, deram início a seu dom por causa de uma oportunidade de aprender. Outros já alçaram vôo para outros estados e até para o exterior.
  • Gravou um CD com músicas exclusivas do Bloco, interpretadas por cantores do quilate de Elba Ramalho, Gustavo Travassos e Getúlio Cavalcanti.
  • Partiu deles a sugestão para eu apresentasse um projeto de lei, que se transformou na Lei Estadual 15.105 de setembro de 2013, que institui o Dia Estadual do Frevo de Bloco em 11 de outubro de cada ano.

Como eu disse, seria prolongar demais listar todos os logros e conquistas do Flor da Lira de OIinda durante esses 40 anos de vida. Prova de que a agremiação tem um trabalho e uma história, tão merecidas por serem homenageadas nesta solenidade na Casa do Povo Pernambucano.

Termino meu pronunciamento concordando com o frevo de Natanael Guedes e João Santiago que é um dos hinos do Flor da Lira de Olinda e que foi interpretado pela voz de Elba Ramalho: “Se Duarte Coelho soubesse do carnaval de Olinda, pediria ao Criador pra voltar para o Alto da Sé, e dançar um frevo rasgado na cidade que ele criou!” Parabéns Flor da Lira pelos seus 40 carnavais, parabéns povo de Olinda, cidade berço de cultura que nos dá tanto orgulho!

 

DEPUTADA TERESA LEITÃO

 SALA DAS REUNIÕES PLENÁRIAS

 RECIFE, 3 DE MAIO DE 2016

Notícia anterior

Próxima notícia